PRÓ-TV


MÁRIO LÚCIO VAZ


Mário Lúcio Vaz nasceu em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, no dia 5 de junho de 1933. O pai era jornalista, mas faleceu antes do filho ter dois anos de idade. Sua mãe ficou viúva aos 23 anos , estava grávida e tinha já dois filhos. Ela era funcionária pública federal, e ficou responsável pela família com três filhos. Mário estava com apenas 9 anos, quando começou a trabalhar, para ajudar nas despesas da casa. Foi entregador de farmácia, balconista de armazém e aos 14 anos colocou-se como office-boy no Banco Industrial e Comercial de Minas Gerais.

Sempre esforçado que foi, e pensando em se casar, aceitou fazer um “ extra”, como datilógrafo da TV Itacolomi, de Belo Horizonte. À noite batia os scripts e com isso foi tomando conhecimento e se interessando cada vez mais por televisão. Aproveitava todas as suas folguinhas para conhecer a parte operacional da emissora. E assim foi convidado para ser diretor de imagem do jornal “ Aerovias Brasil”. Depois foi dirigir musicais, teleteatros e chegou a ser o diretor artístico da emissora.

Em 1964, Mário foi trabalhar na TV Triângulo, em Uberlândia. Foi para organizar a programação local. Ficou, porém, só oito meses e voltou à Itacolomi. Mas aí ficou só até ser convidado por Walter Clark e José Maria de Castro Neves, para ir para a TV Rio, do Rio de Janeiro. Ficou na TV Rio por alguns anos, sendo o diretor de programas importantes, como: “ Moacyr Franco Show”, “ Show Sem Limite”, “ Rio, Jovem Guarda”.

Em 1970, Mário Lúcio Vaz entrou na TV Globo, convidado por Boni, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho. Foi dirigir: “ Alô Brasil, Aquele Abraço”, onde era também produtor. O programa era ao vivo. Era uma competição entre os estados do Brasil e tinha colaboração de telespectadores, através do telefone. As melhores atrações do programas recebiam prêmios e eram os telespectadores que votavam sempre por telefone.

Depois ele foi dirigir os programas: “ Show da Girafa”, “ Moacyr TV”,” Globo de Ouro”. Logo assumiu o programa; “ Chico City”, estrelado por Chico Anysio. Nesse programa , Mário Lúcio ficou até 76, quando foi substituído por Carlos Manga. Depois assumiu: “ Praça da Alegria”, de Manoel da Nóbrega.

Em 1980, Mário Lúcio foi convidado por Borjalo, Mauro Borja Lopes, que era o diretor da Central Globo de Produções,para seu assessor.

Em 1983, assumiu o cargo de diretor da Central Globo de Produção. E em 1991, passou para a direção geral da Central Globo de Produção, em substituição a Daniel Filho.

Em 1998, durante poucos meses, ficou à frente da Central Globo de Criação, projeto desenvolvido por Marluce Dias da Silva, diretora geral da época. Depois assumiu a direção da Central Globo de Qualidade. Essa central conta com profissionais de todas as áreas, como dramaturgia, produção musical ,artes cênicas,humor, edição, direção, sociologia e pesquisa de mercado. Eles avaliam o conteúdo, ética, parte comercial, e outros, para oferecer sempre produto de qualidade. Além de diretor da CGCQ, Mário Lúcio passou a desempenhar função de diretor geral artístico, sendo o responsável pela supervisão dos núcleos de produção de dramaturgia.

Em 2008, Mário Lúcio Vaz deixou essas funções e passou a prestar consultoria para a Direção Geral de Entretenimento, que reúne as áreas de criação, produção. recursos artísticos e controle de qualidade. E que têm a direção geral de Manoel Martins.

Mário Lúcio Vaz é casado com dona Marny, tem filhos e netos.

 
Band
CNT
Cultura
Gazeta
Globo
Record TV
RedeTV
SBT
TV Brasil
 

Siga-nos nas Redes Sociais