Museu da TV, Rádio & Cinema

Mazzaropi, o caipira campeão de bilheteria



Ele nasceu na capital paulista, no bairro de Santa Cecília, mas aos dois anos de idade foi morar com a família em Taubaté, na região do Vale do Paraíba e lá, ao lado do avô materno, que era animador de festas, aprendeu tudo sobre a cultura caipira.

Aos 12 anos de idade ele já era um freqüentador assíduo do circo, e mesmo contra a vontade dos pais, acabou fugindo com a caravana do Circo La Paz para trabalhar como assistente do faquir, quando estava com quase 16 anos.

Não conseguiu viver só com o que ganhava no circo e voltou a morar com a família em Taubaté. Foi trabalhar como tecelão, mas acabou criando um grupo de teatro em uma escola rural. Sua primeira atuação como ator aconteceu em 1932 no espetáculo “A Herança do Padre João”. Criou então a Troupe Mazzaropi com a qual viajou pelas cidades do Vale do Paraíba e fez muito sucesso.

A partir de 1945 se dedicou ao teatro onde estreou como diretor com o espetáculo “Filho de Sapateiro, Sapateiro Deve Ser”. O sucesso da peça o levou a ser convidado por Dermeval Costa Lima, da Rádio Tupi, para comandar o programa dominical “Rancho Alegre”, que era encenado ao vivo no auditório da emissora no bairro do Sumaré.

Comandando o mesmo programa, ele estreou em 1950, na TV Tupi, agora ao lado de João Restiffe e Geny Prado. O programa agradou a todos e levou Abílio Pereira de Almeida e Franco Zampari, que queriam um tipo diferente de ator para estrelar uma comédia, a convidarem o humorista a estrear no cinema. Seu primeiro filme foi “Sai da Frente”, rodado pela Companhia Cinematográfica Vera Cruz, onde ele ainda faria mais dois filmes: “Nadando em Dinheiro” e “Candinho”, todos eles com grande bilheteria.

Com a grave crise financeira que atingiu a Vera Cruz, Mazzaropi passou a atuar em outras companhias como ator contratado, até que em 1958 ele criou a Pam Filmes – Produções Amacio Mazzaropi, cuja primeira produção foi o filme “Chofer de Praça”.

Mazzaropi criou o personagem do Jeca, um caipira tímido, mas cheio de malícia e esperteza, que conquistou uma legião enorme de fãs, fazendo com que todos os seus filmes alcançassem boas receitas nas bilheterias dos cada vez mais numerosos cinemas em que eram exibidos, por todo o país.

Com todo esse resultado positivo dos seus filmes, na metade da década de 60 ele comprou uma fazenda em Taubaté, onde seus filmes passaram a ser rodados. Ainda passou pela televisão, onde na TV Excelsior participou do programa “Brasil 63“, apresentado por Bibi Ferreira, mas ficou pouco tempo por lá.

Mazzaropi foi ator, diretor, produtor e roteirista. Participou de 32 filmes, a maior parte deles produzidos com seus próprios recursos e, embora seja um marco no cinema brasileiro com filmes até hoje entre os 20 mais vistos na história do nosso cinema, nunca teve, por parte da crítica especializada, o devido reconhecimento.

Construiu um império onde além da sua produtora constavam um estúdio cinematográfico, oficinas de produção, uma fazenda e um hotel, o Hotel Fazenda Mazzaropi, que hoje possui um museu com mais de cinco mil peças relacionadas a todos os seus filmes.

museudatv

museudatv

 
Apoio
ABCD Nossa Casa
Apodec
Centro Universitário Belas Artes
Coleção Marcelo Del Cima
Comunique-se
Grupo Observatório
Sindicato dos Radialistas de São Paulo
Toda Tela
Universidade Anhembi Morumbi
 

Siga-nos nas Redes Sociais