Museu da TV, Rádio & Cinema

A versátil atriz e comediante Léa Camargo



Nossa homenagem hoje é para a atriz, comediante e apresentadora Léa Camargo, uma das pioneiras da televisão brasileira, e que acaba de completar 86 anos de idade com muita saúde e planos de voltar à ativa.

Ela foi aluna de uma das primeiras turmas da Escola de Arte Dramática de São Paulo e no início da sua carreira participou do “Grande Teatro Tupi” e de espetáculos no TBC (Teatro Brasileiro de Comédia). Participou dos primeiros programas da TV Paulista de São Paulo e também da TV Record.

Léa Camargo fez de tudo no início da televisão, era atriz, fazia programas de humor, dublava cantoras estrangeiras e participava de shows e apresentava programas. Na década de 1950 ganhou os prêmios “Roquete Pinto” e “Melhores da Semana”, como atriz.

No cinema participou de apenas três filmes, o último deles “O Menino Arco-Íris” de Ricardo Bandeira em 1984. Mas fez muito teatro e espetáculos como “Violetas na Janela” e “Traie e Coçar é só Começar”.

Na televisão atuou em quase todas as emissoras e fez novelas na TV Tupi, Excelsior, Bandeirantes, SBT e Globo. Na   Esteve ainda na TV Cultura, TV Excelsior, fazendo novelas.

A estréia em novelas foi em “É Proibido Amar” de Ciro Bassini, em 1964, na TV Excelsior, onde participou de mais seis novelas, sendo a última delas “Abnegação”  de Dulce Santucci, em 1967. Depois foi para a TV Tupi onde estreou em “Estrelas no Chão” de Lauro César Muniz.

Na Tupi fez grandes novelas como “Simplesmente Maria”; “Nossa Filha Gabriela”; “Camomila e Bem-Me-Quer”; “Mulheres de Areia”; “Os Inocentes”; “Ovelha Negra” e “O Profeta”.

Participou da primeira novela da TV S, a emissora de Silvio Santos que antecedeu ao SBT, “O Espantalho”, escrita por Ivani Ribeiro e depois foi para a TV Bandeirantes onde esteve em “O Todo Poderoso” e “Os Imigrantes-Terceira Geração”.

Léa Camargo passou pelo SBT onde fez a novela “Jogo do Amor” e ficou alguns anos como contratada da TV Globo, onde participou das novelas: “Despedida de Solteiro” como dona Idalina; “Anjo de Mim” como Agripina e foi Yara, uma divertida personagem em “Era uma Vez”, em 1998, sua última novela. Depois dela resolveu encerrar a carreira e se dedicar à família.

museudatv

museudatv

 
Apoio
ABCD Nossa Casa
ABCcom
ABTU
ACESP
Apodec
Centro Universitário Belas Artes
Coleção Marcelo Del Cima
Comunique-se
Grupo Observatório
RITU
SET
Sindicato dos Radialistas de São Paulo
Toda Tela
TUB
Universidade Anhembi Morumbi
APJ
UBI
 

Siga-nos nas Redes Sociais