Museu da TV, Rádio & Cinema

Taiguara foi revelado no Festival de MPB da TV Excelsior



Em agosto de 1968, a TV Excelsior, a primeira emissora a realizar um festival de música popular, três anos antes, investia no seu “O Brasil Canta no Rio”, tentando neutralizar o sucesso que esses festivais faziam na TV Record de São Paulo.

O evento reuniu todas as emissoras de rádio e de televisão que faziam parte da Excelsior, e o local da grande final não podia ser outro que o Maracanãzinho, o palco dos grandes eventos musicais do Rio de Janeiro nos anos 60, 70 e 80.

O espetáculo musical nada ficou a dever aos Festivais que a TV Record já produzia com muito cuidado, e revelou um grande intérprete, Taiguara (1945-1996), e um compositor sensível e também grande letrista, Sérgio Bittencourt (1941-1979), filho de Jacob do Bandolim (1918-1969).

Com a bonita e melancólica “Modinha”, Sérgio Bittencourt conquistou o primeiro lugar e levou um prêmio de NCr$ 40.000,00, enquanto Taiguara levava o troféu de melhor intérprete e NCr$ 10.000,00. A música foi um marco na carreira do cantor, que a partir desse festival se transformou em um dos cantores e compositores mais respeitados do Brasil.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No segundo lugar ficou o talento dos irmãos Paulo Sérgio e Marcos Valle com a canção “Ultimatum”, na interpretação sempre segura da cantora Maria Odete, que vinha se especializando em defender canções nos festivais pelo Brasil afora.

Em terceiro ficou “Paixão Segundo o Amor”, composta e interpretada pela cantora Tuca, outra que se especializava em participar de festivais de música, e que foi a única representante paulista entre as finalistas. No quarto lugar uma música com tons repentistas e que representou a Bahia, “Fala Moço” dos compositores Alcivando Luz e Wilson Lins.

“O Brasil Canta no Rio” também ficou famoso por deixar de fora dos finalistas um samba de Ataulfo Alves (1909-1969), interpretado por Carlos Imperial (1935-1992), chamado “Você passa e eu acho graça”,

e que viria a se tornar um grande sucesso logo depois. A irreverência e as provocações de Imperial para um público estimado em 30 mil pessoas, contribuíram para que a música e o cantor e compositor fossem muito vaiados.

Mas a vaia, assim como o aplauso, também era um charme e um destaque à parte nesses festivais musicais que fizeram história na nossa telinha.

museudatv

museudatv

 
Apoio
ABCD Nossa Casa
ABCcom
ABERT
ABTU
ACESP
Apodec
Centro Universitário Belas Artes
BRAVI
Coleção Marcelo Del Cima
Comunique-se
Fórum SBTVD
Grupo Observatório
Gugu Vive
IBEPEC
Kantar Ibope Media
O Fuxico
Radioficina
RITU
SET
Sindicato dos Radialistas de São Paulo
Toda Tela
TUB
TudoRádio
Universidade Anhembi Morumbi
APJ
UBI
Vela – Escola de Comunicação
 

Siga-nos nas Redes Sociais