PRÓ-TV

Fernanda Montenegro, 90 anos de tantos pioneirismos



Em 16 de outubro de 2019, Fernanda Montenegro celebrou seus 90 anos. Durante todo ano de 2019, foram inúmeras as homenagens merecidas a essa personalidade tão querida e tão importante da Cultura Brasileira, sem falar em seus múltiplos trabalhos no campo do cinema, do teatro, da televisão e da literatura.

Em 1945, com apenas 14 anos, já trabalhava na Radio MEC do Rio de Janeiro, a PRA-2, que naquele tempo era dirigida pelo escritor Edmundo Lys, onde permaneceu por quase dez anos como locutora, redatora  e rádio-atriz.

Em 20 de janeiro de 1951, é inaugurada a TV Tupi canal 6 do Rio de Janeiro e Fernanda Montenegro está em seu inicial elenco. Logo no primeiro ano da emissora de Assis Chateaubriand, já se destaca, trabalhando com mestres como Olavo de Barros, Ribeiro Fortes e Magalhães Graça. No ano seguinte é a primeira Desdêmona da TV no Brasil, quando em 24 de julho daquele ano dá vida a grande heroína  de Shakespeare, ao lado de Paulo Porto, Jose Maria Monteiro e Chianca de Garcia. Neste mesmo ano, Fernanda recebe a Medalha de Ouro da Associação Brasileira de Críticos Teatrais (ABCT) como a Revelação Feminina do Teatro Brasileiro de 1952, com 22 votos.

Durante toda a década de 1950, Fernanda Montenegro coleciona grandes sucessos no teatro, como na peça “Vestir os Nus” de Pirandello com direção de Alberto D’ Aversa, encenada no mítico palco do Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) em São Paulo. Em 1958, o sucesso vem na TV com a sua parceria frutífera com Sergio Britto no “Grande Teatro Tupi”, no canal 6 carioca, iniciada em 1956, com seu brilhante trabalho em “De Braços Dados” de Armando Moock . Em 1963,o Grande Teatro vai para a TV Rio e em 1965 , estreia na recém fundada TV Globo.

Os anos 1960, continuam venturosos para Fernanda Montenegro. Em 1965, finalmente estreia no cinema, no aclamado filme do jovem Leon Hirszman, “A Falecida”, sendo a sua personagem-titulo, uma adaptação do clássico teatral de Nelson Rodrigues, dramaturgo muito ligado a Fernanda, pois ela brilhou também em sua peça “O Beijo no Asfalto”, com ótima direção de Fernando Torres (esposo de Fernanda)  e cenografia de Gianni Ratto (o diretor predileto de Fernanda, seu verdadeiro mestre cênico), que honrou a ribalta do Teatro Ginastico no centro carioca.

Em 1968, já contratada pela TV Excelsior, Fernanda brilha como a Mãe Cândida na novela “A Muralha” de Ivani Ribeiro, com direção de Sergio Britto e Gonzaga Blota, baseada na histórica obra literária de Dinah Silveira de Queiroz. Ganha diversos Premios com a Melhor Atriz de TV daquele ano, como o Troféu Imprensa e o Premio Roquette Pinto e a novela é sucesso de público e de crítica em todo Brasil.

Chegam os anos 1970, e Fernanda continua a brilhar no Cinema (trabalhando com Arnaldo Jabor em “Tudo Bem”), no Teatro (com Millor Fernandes) e na Televisão (com Vicente Sesso). Logo depois, volta a TV Globo, onde em 1983, brilha ao lado do amigo de palcos Paulo Autran na esplendida novela de Silvio de Abreu, “Guerra dos Sexos”, com direção de Jorge Fernando e Guel Arraes. A antológica cena do duelo das comidas e bebidas da mesa de jantar entre os dois gênios da dramaturgia nacional entrou para a História da Telecomunicação neste país.

Na década de 1990, Fernanda Montenegro é aclamada internacionalmente pelo seu brilhante trabalho no filme “Central do Brasil”, de Walter Salles Junior, onde trabalha com os colegas Marilia Pera e Othon Bastos e onde é indicada ao Oscar de Melhor Atriz, fato inédito na história do Cinema Brasileiro. Por esse filme comovente, recebe o Urso de Prata do Festival de Cinema de Berlim, na Alemanha, em 1998.

A maior intérprete teatral da rica obra dramatúrgica de Jorge Andrade é também a maior atriz de muitas obras teledramatúrgicas de Gilberto Braga e grande incentivadora das carreiras artísticas de Manoel Carlos, de Italo Rossi e de Nathalia Thimberg.

Fernanda Montenegro no dezembro posterior a sua festa de 90 anos foi premiada com o Premio Especial Honorário da Diretoria da  Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA), devendo receber essa láurea de magna importância no palco mítico do Teatro Sergio Cardoso (um inesquecível amigo de tantos trabalhos no TBC.

Com certeza, a “Grande dama de nossos palcos, telas e telinhas”, receberá,  nos muitos anos que virão incontáveis aplausos diante de seu talento bastante iluminado, que lampejará com sapiência nossa Cultura Artística Brasileira.

Viva Fernanda Montenegro !

Redação

A Pró-TV – Associação dos Pioneiros, Profissionais e Incentivadores da Televisão Brasileira surgiu em 21 de agosto de 1995. Sua finalidade é preservar a memória da radiodifusão nacional e congregar toda classe que representa. Objetiva a criação do Museu do Rádio, da Televisão e das Novas Mídias (também chamado de “Museu da TV”).

 
Band
CNT
Cultura
Gazeta
Globo
Record TV
RedeTV
SBT
TV Brasil
 

Siga-nos nas Redes Sociais