PRÓ-TV

A doméstica que conquistou o patrão e a audiência para a TV Excelsior



Maria Aparecida veio de longe tentar a sorte na cidade grande. Sem ter uma profissão definida foi ser empregada doméstica na casa de um ricaço. Sorte da Maria Aparecida; sorte da atriz Rosamaria Murtinho, a sua intérprete; das telespectadoras que viraram suas fãs e da TV Excelsior que cravava seu primeiro grande sucesso de audiência nas telenovelas com “A Moça que veio de longe”.

A história era uma adaptação da grande novelista Ivani Ribeiro (1922-1995) de um original de Abel Santa Cruz. O sucesso da novela fez com que Ivani ganhasse a oportunidade de poder criar mais personagens e novas situações, adaptando a história para a realidade brasileira.

A história era muito simples: uma jovem vinda do interior que se empregava como empregada doméstica na casa de um ricaço, e acabava se apaixonando e sendo correspondida pelo filho do patrão, Raul, personagem vivido por Hélio Souto (1929-2001).

A novela foi o primeiro grande sucesso de audiência da TV Excelsior na teledramaturgia e estreou em maio de 1964, ficando no ar até julho do mesmo ano. A comprovação do sucesso foi que a emissora terminou a novela, em 24 de julho de 1964, com uma noite de autógrafos dos artistas no Ginásio do Pacaembu, em São Paulo.

Consagração total para o casal central, Rosamaria Murtinho e Hélio Souto, que estreavam nas telenovelas, ele vindo do cinema e ela do teatro. Durante muitos anos, o par formado por Maria Aparecida e Raul foi considerado o mais belo das novelas brasileiras pelas telespectadoras.

Exibida no horário das 19h, “A Moça que veio de longe” tinha um grande elenco, onde se destacavam, além de Rosamaria e Hélio, os nomes de Flora Geny, Lourdes Rocha, Silvio Francisco, Neuza Amaral, Yvan Mesquita, Lurdinha Félix, Edmundo Lopes, Maria Aparecida Baxter, Renato Máster, Wilma de Aguiar, Bentinho, Cleyde Blota e Gilberto Sálvio.  

Por uma dessas razões que ninguém explica, a dupla Hélio Souto e Rosamaria Murtinho não voltaria a fazer um casal nas próximas novelas da Excelsior, apesar dos vários pedidos das telespectadoras nesse sentido.

Com esta novela, a TV Excelsior coroava o seu empreendimento na teledramaturgia e, por muito tempo, no horário das 19h, só dava a emissora nos lares paulistanos com suas novelas escritas, principalmente, por Ivani Ribeiro, Dulce Santucci ou Talma de Oliveira.  

Rodolfo Bonventti

 
Band
CNT
Cultura
Gazeta
Globo
Record TV
RedeTV
SBT
TV Brasil
 

Siga-nos nas Redes Sociais