< BIOGRAFIAS | VOLTAR

LOU DE OLIVIER

BIOGRAFIA DE LOU DE OLIVIER PARA O MUSEU DA TELEVISÃO BRASILEIRA

 

Lou de Olivier foi a primeira criança a gravar vinil com 3 anos de idade, e uma das primeiras crianças a gravar vídeo tape no Brasil, apresentando-se em diversos programas da Record, Excelsior, entre outras (periodo 1963 a 1969).

De lá até hoje foram inúmeras produções artísticas, (comerciais, novela, teatro e cinema) sendo que parou por quase vinte anos (de 1993 a 2011) atuando só como escritora e terapeuta (sendo também renomada nacional e internacionalmente como Arteterapeuta/Multiterapeuta) e suas peças teatrais continuaram a ser montadas pelo Brasil todo e também em Portugal.

Em 2012, retoma suas produções artísticas.

Dança: Desde os 3 (três) anos de idade até hoje, estudou e praticou dança em diversas modalidades. Balé clássico, moderno/contemporâneo, Jazz, Afrojazz e, posteriormente, Flamenco e Dança do Ventre. Foi aluna de Aparecida Guarnieri, Maria Helena Mazetti, Vitoria Bertola e estudou também no Ballet Stagium. Após um período de três anos parada, voltou a treinar em 2010 e atualmente ministra o workshop Corpo, Mente e Movimento - (Teatro/Psicodrama e Biodança/Dançaterapia) na preparação de atores e bailarinos.   Como bailarina apresentou-se (dos três aos sete anos) nos mesmo programas em que atuou como cantora.

Canto: Também aos 3 (três) anos de idade, iniciou estudos em canto popular, (Professor Irineu Gonzaga) tendo gravado um vinil de sucesso (com as musicas: Sonho de criança e Mês de maio) e seguido carreira na TV até os sete anos, gravando parte da trilha sonora da novela "A pequena órfã", ocasião em que parou para seguir seus estudos regulares na escola. Posteriormente, estudou canto lirico. No período dos três aos sete anos de idade apresentou-se em diversos programas de TV como cantora e bailarina, destacando-se: Pullman Jr, Ginkaninha Kibon com Neide Alexandre e  Blota Jr, onde teve quadro permanente com Aires Pinto e outras crianças, Petistil Espacial, Titio Molina, Programa Aparecida Baxter, entre outros. Inclusive foi a primeira criança a gravar um disco profissionalmente com apenas tres anos de idade (na época Rita Pavoni gravou na Itália com cinco anos e detinha o pioneirismo até a pequena Analou (Lou de Olivier) gravar aos três anos. Também foi uma das primeiras crianças a gravar um vídeo tape.

Cinema: Foi aluna de um dos maiores nomes do cinema nacional: Carlos Reinchenbach (falecido recentemente) no Espaço Cultural Tres Rios. Participou dos premiados filmes O país dos tenentes, em 1987 com Paulo Autran,  direção de João Batisa de Andrade, Vera,1986  com Raul Cortez, direção: Sérgio Toledo Segall, entre outros filmes. Como Autora (Roteirista) assina:  "Siga aquele voto" e "Transantontem".

Coordenadora de Eventos: Dentre os diversos eventos coordenados, destaca-se: "Feira da Criança e do Adolescente", em que coordenou seis mil profissionais entre modelos/manequins, atores, bailarinos, bandas de rock até thrash metal e também recreadores, sonoplastas, iluminadores entre outros. O evento ocorreu em 1992 no Ibirapuera, em São Paulo.

Teatro: Tendo iniciado estudos na área teatral para recuperar a memória perdida por causa de um incidente de afogamento, encantou-se com a nova forma de usar o palco (percebeu que poderia juntar canto e dança que já fazia com interpretação e criar musicais) e decidiu cursar uma faculdade na área. Criou grandes musicais (reconhecidos internacionalmente), sendo que o mais destacado foi "Calor do Sol em Manhattan",em 1986, pela extinta produtora artística Manhattan Masana. Nesta modalidade foi aluna de Wolney de Assis, Berta Zemmel, Edmir Fraga, Milene Pacheco, Lucio Navarro/Silvia Ramalho entre outros. Nesta época também cursou Extensão Universitaria em Musicoterapia na Faculdade de Artes Marcelo Tupinambá. Atuou como auxiliar de Celia Helena em "Oi vento, tudo bem?", foi dirigida por Nuno Gallo, Lucio Navarro, entre outros.

Atriz e Coreografa:Foram muitas as suas produções e atuações no teatro e na TV como atriz e coreografa, sendo as mais destacadas, no Teatro como Santa Clara e Maria Idiota de Carvalho em Francisco, o irmão sol, A boneca Eca em diversas versões de Show Buzines (sátira do Business americano), coreografou algumas versões de "O Pequeno Príncipe" "Tistu" em 1993/1994 no extinto Teatro Taib e, na TV, em inumeros comerciais e na novela, Uma esperança no ar... SBT em 1985. Foi também uma das modelos do catalogo de Primeiros Socorros em Saúde da Drogaria São Paulo distribuído gratuitamente nas unidades da rede durante varios anos consecutivos.

Dramaturgia: Autora de quatorze textos teatrais, entre os quais destacam-se , "Nunca em Los Angeles" , "Eu inteiro, metade de mim", "A Cinderela que não era Bela por que era Branca demais",  e "Os alienados" (no Brasil), em Portugal, recebeu o titulo de "Os Alucinados". Como diretora e produtora teatral, suas maiores montagens foram: "Cinderela que não era Bela porque era Branca demais", produzida pela primeira vez em 1985 pela Manhattan Masana Produções Artisticas e "Os Alienados", produzida pela primeira vez em 1998 em produção independente.