PRÓ-TV


MÁRIO BRASINI


Mario Brasini nasceu no Rio de Janeiro, em 31 de janeiro de 1921. Filho de Dulce Farias e Ferrucio Brasini. O pai era arquiteto. A mãe, nascida m Recife, morou em sua cidade com a família, onde Mario Brasini passou grande parte da infância Morou também em Maceió..Dos 8 aos 11 anos, porém, o menino morou em Roma, terra de seu pai.

Era um menino muito dotado intelectualmente e inclinado inteiramente ao teatro. Escreveu sua primeira peça teatral, quando ainda era ginasiano e frequentava o Colégio Santo Antonio Maria Zacarias, no bairro do Catete, no Rio de Janeiro.Depois disso passou a atuar no elenco de atores italianos do ” Teatro del Doppo Lavoro” e depois no teatro da ” Fundação da União Nacional de Estudantes.” Foi mais tarde da UNE, onde tornou-se redator-chefe da “Revista Movimento”. Depois o ainda um quase garoto Mário Brasini passou para o ” Teatro Universitário” , onde dirigiu e atuou em várias peça, entre as quais: ” Viúva Alegre”.

Mário Brasini escreveu inúmeras comédias de costumes, sempre retratando seu povo e seu país. Fundou logo a companhia teatral: ” Artistas do Povo”, percorrendo vários estados brasileiros, para difundir a cultura.Citemos as peças, que ele dirigiu ou atuou: ” Uma Raio de Sol”;” Uma Vida em Quinze Dias”,” Dona Xepa”, que foi um grande sucesso”; ” Cupim”;” Massacre”; ” Depois do Casamento”;” Alguém Falou de Amor”; “Três á Meia Luz”; ” È do Amor Que Se Trata”; ” Irene”; “Divórcio”; ” Ráio de Sol”; ” Noviço”; ” Rapto das Cebolinhas”, peça infantil;” A Moral do Adultério”;” A Guerra”; ” Nadim Nadinha Contra o Rei do Fuleiró”; “Vento nos Ramos de Sassafrás”; ” As Viúvas do Machado”;” O Olho Azul da Falecida”; ” Zefa Entre os Homens”; ” 40 Quilates”; ” Aqui e Agora”; ” Quarta Feira Sem falta Lá Em Casa”.

Muitas dessas peças ainda são represadas nos palcos nacionais e fazem sucesso. Ao mesmo tempo em que atuava ou dirigia essas peças, Mário Brasini viajou a trabalho para a Europa, onde foi muito bem aceito.

Moço bonito que era, Mário Brasini foi também galã de filmes nacionais.Atuou nos filmes: ” Asas do Brasil”, “Fantasma Por Acaso”,”É Proibido Sonhar”,onde ganhou o prêmio: ” Índio”, como Melhor Ator. Fez também o filme: “Iracema”. Em 1958, co-dirigiu e atuou no filme: ” Bruma Seca”. Fez ainda: ” Enigma Para Demônios”,”Jovens Pra Frente”,” Rifa-se uma Mulher”, entre outros.

Profundamente agitado e produtivo, Mario Brasini também foi atuante em rádio, tendo começado na Rádio Clube do Brasil, depois atuou na Rádio Nacional do Rio de Janeiro, à época a principal emissora brasileira. Ele foi ator e autor de várias radionovelas, tais como: ” Enquanto Houver Estrelas”,” Lua Nova”, ” Laura”, ” A Alma das Coisas”, ” Balança Mas Não Cai”, programa de humor, que escreveu ao lado de Max Nunes e que fez sucesso por várias décadas, tanto no rádio , como na televisão brasileira. Na Rádio Mundial, Mário Brasini, a convite de Alziro Zarur, escreveu o programa: ” Boa Noite, Carmela”, ouro enorme sucesso, que passou depois para a televisão e também para o teatro.

De 1962 a 63, Mário Brasini foi Diretor Artístico da Rádio Nacional de Brasília. Em 64, dirigiu a Rádio Educativa de Brasília e preparou o Curso de Rádio e Televisão da Universidade de Brasília, quando foi também assessor do Ministro da Educação da época, Júlio Sambaqui. Fez parte da ” Caravana da Cultura” e esteve em várias cidades, de vários estados brasileiros, encenando peças teatrais. Mas aí aconteceu a Revolução de 1964 e Mario Brasini, um comunista sem partido, foi cassado de suas atividades e proibido até de entrar nas dependências da Rádio Nacional.

Em televisão, Brasini foi pioneiro, escrevendo, atuando, dirigindo programas para a TV Tupi do Rio de Janeiro, a 2ª emissora do Brasil. Foi também Diretor Artístico da TV Paulista, hoje Rede Globo, de 1959 a 1961. E Diretor Artístico da TV Tupi em duas fases distintas; em 1952 e em 1968. Na TV Rio, atuou no papel título da novela: ” O Desconhecido”, de Nelson Rodrigues e no programa: ” Praça 11″.

Em 1942, com 17 anos, Mario Brasini entrou para a Publicidade e foi logo encarregado do marketing do SAPS- Serviço de Alimentação da Previdência Social. Posteriormente deu aulas e escreveu livros sobre publicidade. De 1957 a 1959, ele foi Diretor do departamento de Rádio, Cinema e Televisão da Standard Propaganda.

Mário Brasini foi também inventor. Sua criatividade imensa o levou a criar o ” ponto eletrônico”, que não conseguiu registrar como seu, pelos motivos políticos acima citados, mas que hoje é utilizado em todas as emissoras brasileiras.

Mário Brasini faleceu no Rio de Janeiro, em 9 de outubro de 1997, tendo deixado vários livros inéditos, além de peças teatrais nunca encenadas. Era um verdadeiro gênio da comunicação e da criatividade.

 
Band
CNT
Cultura
Gazeta
Globo
Record TV
RedeTV
SBT
TV Brasil
 

Siga-nos nas Redes Sociais